Manuel Marques
Sejam bem-vindos!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
Áudios
Carta dos Suores Frios
Data: 27/01/2008
Créditos:
Autoria e voz: Manuel Marques
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Carta dos suores frios
Escrevo para te ouvir o coração, a grandeza da alma empírica.
Dúvidas de te encontrar sã e salva das vituperinas divagações de alguns pouco ocupados, são mais que muitas. Porém ardo de tesão de me imaginar entrelaçado no teu corpo nu, de te cheirar a pele húmida e o sexo quente do prazer recente, de cairmos loucos um no outro até à exaustão, como se o mundo vivesse das penetrações ou inseminações sem contexto.
E por vezes sabe bem a desordem, dos suores transferidos sem que a ferida da solidão se sobreponha e apenas sugar o teu sexo, quase de forma animalesca, momentos de pura alegria, puro prazer carnal. E ter o corpo saciado, longe da tortura do trabalho ou da ignorância auto-imposta de cada um. O prazer faz parte, ponto assente, e decerto te lembras das loucuras que nos incendiaram e que quase nos fizeram passar pela vergonha de passarmos a noite na cadeia. Quantos os suores frios que se entranharam nas nossas aéreas consciências. Mas ainda assim sorriamos e íamos saciados.
Minha querida imagina apenas como eu estou, mas vê bem também te escrevi para saber se ainda suas e se posso lamber toda essa ardente sedução que emanas naturalmente. Tenho saudades das anti-lições de moral, da provocação, a selvática provocação!

Tenho saudades tuas!
Enviado por Manuel Marques em 26/01/2008
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários