Manuel Marques
Sejam bem-vindos!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
Textos
O último dia da minha vida
colhi o que semeei
nem sei onde parar
de contar aquilo que deixei
num meio de cruzes a voar

o último dia da minha vida
seria um bocejo de nada
nem especial para a ferida
que não ia sarar na almofada

colhi o leito mortal
para sobreviver à desdita
posição fetal
numa cruzada bendita
Manuel Marques
Enviado por Manuel Marques em 16/07/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários